A AGRICULTURA NA REGIÂO

carros de boisQuase até miados do século passado praticava-se na região, assim como nas outras áreas de Portugal e em toda a Europa uma agricultura rudimentar, praticamente inalterada há centenas de anos. Mas, graças aos progressos técnicos iniciou-se uma mecanização da agricultura, o que originou profundas mudanças nas paisagens rurais.
Apesar do progresso da agricultura dita "moderna" continuam presentes na região paisagens tradicionais, cada vez menos, mas ainda tradicionais. Pratica-se aqui um tipo de agricultura chamado de campo fechado (propriedades de pequenas dimensões). Esta paisagem de campo fechado é devida à emergência dum conceito de individualismo,agrário( onde algumas tentativas ou ideias de emparcelamento falharam) possivel graças à abundância de água, o que torna as propriedades independentes umas das outras. Os agricultores deste tipo de agricultura vivem em povoamentos dispersos não se distinguindo bem, por vezes, os limites das povoações.
Como já acima referido, as parcelas são geralmente de pequenas dimensões, de forma irregular e divididas por marcos, muros ou sebes. Estas vedações trazem alguns tipos de vantagens como servirem de barreira contra a erosão, protegerem as culturas dos ventos e servirem ainda de obstáculo à entrada de animais que rondam a propriedade (incluindo larápios de fruta e outros...) Tem também algumas desvantagens que é ocupar espaço, o que dificulta a mecanização e favorecer o aparecimento de ervas daninhas e roedores. Para o acesso às parcelas, criou-se uma rede de caminhos densa e complicada.
No tocante ao sistema de cultura passou-se para uma policultura, onde se cria também o gado que serve para.

Trabalho braçal.
O trabalho braçal, é aquele que é feito com os braços.
Ainda hoje, a palavra "braçal" tem o sentido de "pagar o imposto ou as contribuições". Os nossos Avós e pais ainda dizem: "fui a Leiria pagar o braçal "ou chegou-me um papel com o braçal" (ou para pagar a décima).
O trabalho braçal sempre foi e continua a ser prática corrente e apanágio de todas as civilizações, por mais avançada Trabalho agriculoque seja a tecnologia.
O trabalho dignifica a pessoa. Ao falar de trabalho braçal na nossa freguesia, quero reforçar a dimensão comunitária e de solidariedade sempre presente no nosso povo, para a realização de obras a favor do bem comum. Este trabalho ou serviço, era requerido para o arranjo de caminhos, prospecção e protecção da água, colaboração na escola, igreja cemitério, limpeza do rio, valas de regadio e baldios. Vivia-se a solidariedade.
O trabalho braçal não é só deste século, remonta aos tempos mais antigos. Mesmo em Santa Eufémia. Ajuda-nos a compreender o traçado sinuoso das nossas estradas, a espessura dos muros em pedra solta para o suporte das terras atravessadas pelos caminhos vicinais. Como escasseavam os meios e as verbas para as obras, a Lei previa o recurso ao trabalho braçal, ou "serviço braçal" lento e seguro.

Topo da página

 IntroduçãoLeiria | Concelho e distrito | Autarquia | Simbolos Hráldicos | Descritivo Histórico | Santa Eufemia | Edifícios Públicos | Um pouco de História Melhoramentos  | Recordando | Gastronomia | Economia | Agricultura | Comércios | Indústria | Lapedo | Caranguejeira e S.ta Eufemia  | Valores da Terra  | Fotos |Algumas Notícias | Agradecimentos | Seus comentários  | E-mail | Festas |Album de fotos | desporto | Ambesse | Notícias 

 

>